Conteúdo verificado

Riscos cibernéticos: o que são, como avaliar e como se prevenir

Os riscos cibernéticos são vistos como riscos de negócio, por isso, estar preparado para lidar com eles é o pressuposto de uma gestão de segurança empresarial. De acordo com o relatório do Fórum Econômico Mundial de 2022, uma das áreas de riscos emergentes é justamente a segurança cibernética.

Para evitar prejuízos às empresas e promover o desenvolvimento sustentável, é imprescindível que os gestores trabalhem em ações de fortalecimento digital e proteção do ciberespaço de seus negócios.

Mas em um mercado cada vez mais digital, em que as informações circulam em diferentes níveis e passam por várias etapas e pessoas, como minimizar os riscos cibernéticos? É o que vamos ajudar você a entender neste artigo especial sobre o tema.

Entenda o que são riscos cibernéticos, os principais riscos, como avaliar e como se prevenir. Conheça ainda o seguro contra riscos cibernéticos e descubra como ele pode trazer mais proteção para as operações digitais da sua empresa. Acompanhe!

O que são riscos cibernéticos?

Quais são os riscos cibernéticos

A expressão “riscos cibernéticos” é utilizada para se referir a todo e qualquer risco de ataque criminoso praticado em ambientes virtuais. Pode ser o acesso indevido a dados e informações pessoais/sigilosas, realização de ataques bancários e até mesmo extorsão (ransomware).

Em linhas gerais, podemos dizer se tratar de crimes que envolvem tentativas de roubar, danificar e/ou destruir informações e dados de terceiros. Ações como essas podem comprometer servidores, sites e infraestruturas de tecnologia.

As empresas que trabalham com internet e lidam com a movimentação de dados precisam ter um olhar atento e cauteloso sobre os riscos cibernéticos. Nesse caso, a legislação brasileira já trata da responsabilização envolvendo o uso de dados de terceiros. A Lei Geral de Proteção de Dados é um exemplo. Ela define responsabilidades das empresas com relação à manutenção e tratamento de dados.

A LGPD e estratégias de compliance estão intimamente relacionadas a boas práticas de proteção contra riscos cibernéticos. Somado a isso, produtos como o seguro contra riscos cibernéticos são amplamente utilizados como mecanismo de proteção. Adiante, falaremos mais sobre ele. Antes disso, você precisa entender melhor os riscos cibernéticos na prática.

Quais são os principais riscos cibernéticos?

Como você pode ver, os riscos cibernéticos consistem em crimes praticados no meio online visando roubar, danificar ou destruir dados. Os criminosos, popularmente conhecidos como hackers, procuram vulnerabilidades em sistemas, instalando códigos que alteram dados do servidor ou dos equipamentos.

As ameaças podem atingir qualquer empresa de qualquer segmento de mercado. Hoje, desde o pequeno empreendedor até as grandes redes estão presentes no meio online. Todos estão sujeitos aos riscos cibernéticos. A seguir, vamos mostrar quais são os riscos mais comuns.

Malware

Malware é o nome dado aos softwares que são criados com a intenção de causar danos ao computador ou servidor. Provavelmente, você já teve algum problema envolvendo malware. Sabe quando aparece um alerta de antivírus na sua tela depois de clicar em algo suspeito? É porque tem um malware tentando atacar.

Estes malwares são utilizados para se infiltrar nos computadores das empresas e, a partir daí, o risco só cresce: eles conseguem assumir o controle do computador, monitorar tudo o que está sendo feito pelo usuário e acessar dados confidenciais do seu computador e da rede a qual ele está ligado.

Para que um malware funcione é necessário que o usuário execute uma ação, por exemplo clicar em um link desconhecido recebido via e-mail. Depois que o usuário clica no link, o malware já está instalado e o risco cibernético se concretiza.

É por isso que existem muitas orientações no sentido de não clicar em links suspeitos. Em uma empresa com vários colaboradores e demandas diárias recebidas por e-mail e outros meios de comunicação, é natural que exista um risco majorado de que este tipo de problema aconteça.

Ransomware

O ransomware é um tipo de malware. Ele criptografa arquivos importantes da rede e depois os criminosos costumam praticar crimes de extorsão, exigindo o pagamento de um resgate para liberar o código de descriptografia do sistema infectado.

Para diminuir o risco de identificação, esses criminosos utilizam dados que não permitem sua identificação e pagamento em moedas virtuais — que são de difícil rastreio.

Os maiores ataques cibernéticos dos últimos anos foram desse tipo. Um dos mais conhecidos foi o ataque de 2017, chamado de WannaCry, que paralisou órgãos públicos em 150 países, especialmente na Europa. O Brasil foi o quinto mais afetado pelo ataque.

Phishing 

Trata-se de um método utilizado para enganar pessoas fazendo com que elas compartilhem informações confidenciais — senhas e números de cartão de crédito são os mais comuns. Geralmente, esses golpes são feitos por meio de anúncios em sites parecidos com os que você usa e e-mails.

Um golpe de phishing muito comum envolve o envio de e-mails por criminosos se passando pelo seu banco, na tentativa de coletar suas informações bancárias. Fingindo ser alguém “conhecido” fica mais fácil convencer o usuário de executar ações que, normalmente, não seriam tomadas.

Além de parecer um e-mail ou anúncio legítimo, estes golpes costumam trazer consigo uma mensagem de urgência. Isso acaba contribuindo para que o usuário seja induzido ao erro, clicando em links sem analisar com atenção aquela mensagem.

Ao abrir um anexo malicioso ou clicar no link, o usuário instala o malware no computador. A partir daí o criminoso terá acesso a informações confidenciais. A melhor forma de combater esse problema é por meio da verificação de remetentes de e-mail e da atenção redobrada ao clicar em links e anexos.

Roubo de senha

O roubo de senha, também chamado de ataque de senha, acontece com muita frequência. A prática envolve a tentativa de adivinhar ou quebrar a senha do usuário. Os criminosos usam diferentes técnicas para tentar descobrir senhas, razão pela qual é importante ter cuidado na hora de escolher a sua senha. Confira algumas dicas na hora de criar a suas senhas:

  • Não utilize números sequenciais e números conhecidos como data de nascimento, placa de carro ou número de telefone;
  • Misture letras, números e caracteres especiais;
  • Crie senhas extensas, com mais de 8 caracteres;
  • Não use sempre a mesma senha, para cada local uma senha diferente;
  • Aposte em gerenciadores de senhas para manter as informações seguras;
  • Utilize a autenticação de dois fatores e proteções extras.

Como avaliar riscos cibernéticos?

Como mencionamos, qualquer negócio, independentemente do seu porte ou área de atuação, está sujeito a riscos cibernéticos. O que muda é o contexto em que cada um está inserido. Assim, para avaliar quais são os riscos atrelados às suas operações, é fundamental buscar o suporte de um profissional especializado em segurança digital.

Ele poderá avaliar os riscos em potencial e as medidas que eventualmente podem ser adotadas para a mitigação destes riscos. A seguir, apresentamos algumas dicas que podem ajudá-lo na prevenção. Continue a leitura para saber.

Como prevenir riscos cibernéticos?

Prevenção de riscos cibernéticos

A prevenção dos riscos cibernéticos está diretamente atrelada às particularidades de cada negócio. Por isso, é importante avaliar a realidade de cada empresa para entender como elaborar uma estratégia de prevenção. A seguir, destacamos algumas das principais práticas de segurança.

Autenticação em dois ou mais fatores

A autenticação de dois fatores é um método de segurança amplamente utilizado e que traz uma camada adicional de proteção para a conta. O objetivo é confirmar a identidade do usuário mesmo que ele já tenha informado a senha.

Por isso, após inserir o login e a senha, o sistema solicitará uma segunda informação que deverá ser preenchida para liberar o acesso ao sistema.

Utilizar a autenticação em dois ou mais fatores é um método de proteção que ajuda a prevenir riscos cibernéticos, como as tentativas de acesso indevido a dados sigilosos.

seguro empresarial da Mutuus Seguros

Uso da nuvem

O sistema de armazenamento na nuvem possibilita a guarda de dados em servidores remotos, com isso, as informações ficam protegidas de ataques cibernéticos. Além de trazer proteção contra esses ataques, manter os arquivos na nuvem permite que o usuário os acesse de diferentes dispositivos conectados à internet.

Treinamento de toda a equipe

A proteção contra os riscos cibernéticos depende das boas práticas de proteção utilizadas pelos membros da equipe. Se um funcionário clicar acidentalmente em um arquivo contaminado enviado pelo e-mail, todo o sistema já entra em risco. E, neste ponto, o gestor não tem como controlar todos os acessos e atividades dos colaboradores.

Por isso, uma das premissas para a proteção contra os riscos cibernéticos é, justamente, o treinamento dos profissionais. Os seus funcionários precisam estar cientes das políticas da empresa e de boas práticas visando à proteção contra riscos.

Desta forma, é importante restringir acessos a dados de acordo com setor e a função, treinar regularmente os colaboradores e atuar no sentido de reduzir o risco de que incidentes envolvendo ataques e violação de dados aconteçam.

Monitoramento regular

Por fim, o monitoramento regular do sistema é outro ponto de atenção e uma prática recomendada em todas as empresas, independentemente do seu tamanho. Monitorar ajuda a identificar riscos em potencial e adotar medidas preventivas.

Prevenção de riscos cibernéticos em home office

Com a expansão das atividades em home office, tornou-se fundamental falar em riscos cibernéticos nessa modalidade de trabalho. Embora muitas empresas já tenham retornado seu modelo de trabalho para o escritório, há inúmeras outras que optaram pela modalidade de trabalho híbrida.

O grande ponto de atenção para a prevenção de riscos cibernéticos está relacionado à orientação dos colaboradores. Os profissionais que atuam em home office devem ficar atentos às seguintes práticas.

  1. Sempre verificar se o remetente dos e-mails é confiável: quando receber uma solicitação de ação que envolva envio de dados corporativos, nome de usuários, formulário de preenchimento de dados, números de contas e dados sigilosos, suspeite. Mesmo que tal solicitação aparentemente tenha sido feita por um colega de trabalho ou gerente, você deve confirmar a veracidade daquele e-mail; comunique-se com o remetente por uma fonte confiável. 
  2. Mantenha antivírus e demais ferramentas de segurança sempre atualizados.
  3. Certifique-se de que sua rede doméstica é segura, defina senhas complexas que combinem letras, números e caracteres especiais.  
  4. Não compartilhe a sua rede doméstica com pessoas desconhecidas. 
  5. Realize o backup frequente das informações.
  6. Utilize VPN, pois ela criptografa as informações trocadas entre o colaborador e a rede da empresa.

Como você pode ver, há diferentes maneiras de proteger o seu negócio dos riscos cibernéticos. Além de adotar boas práticas de proteção, as empresas têm à sua disposição outras estratégias e produtos, como o seguro contra riscos cibernéticos. Continue a leitura e conheça mais sobre ele!

O que é o seguro contra riscos cibernéticos?

O seguro contra riscos cibernéticos, às vezes também chamado de Seguro Cyber Risk, é uma modalidade de seguro que foi criada visando à indenização de danos decorrentes de ataques cibernéticos. Ele se aplica a situações que envolvem, por exemplo:

  • Roubo e vazamento de dados;
  • Despesas relacionadas à extorsão cibernética;
  • Lucros cessantes da empresa e de terceiros atrelados ao ataque; 
  • Sanções administrativas;
  • Entre outros.

Este seguro ainda não é tão conhecido e difundido no Brasil. Entretanto, com a entrada em vigor da LGPD e das exigências que devem ser observadas pelas empresas, a tendência é que ele seja cada vez mais utilizado.

Por dentro da Lei Geral de Proteção de Dados 

A Lei 13.709, mais conhecida como Lei Geral de Proteção de Dados, ou simplesmente LGPD, é uma norma que visa trazer segurança digital voltada especialmente à proteção de dados de usuários.

Ela marca uma nova era no cenário jurídico brasileiro, já que implementa mudanças significativas no regramento e uso de informações de clientes, colaboradores e fornecedores.

Em linhas gerais, a LGPD determina que os clientes e usuários de sistemas devem ter suas informações protegidas, sendo responsabilidade da empresa adotar medidas de proteção. Por isso, todas as pessoas jurídicas precisam conhecer a lei e criar soluções alinhadas às exigências por ela trazidas.

O cumprimento da LGPD é obrigatório e envolve, entre outras exigências: armazenamento seguro de dados, proteção e uso de dispositivos de segurança. Os usuários devem saber quais dados são armazenados e o motivo. Além disso, as empresas devem excluir as informações pessoais da sua base de dados caso o cliente ou usuário solicite.

Neste contexto, o seguro para cibernéticos é uma proteção importante para as empresas, já que contribui para mitigar os riscos financeiros e multas da LGPD caso algum vazamento aconteça.

Como funciona um seguro contra riscos cibernéticos?

A LGPD é apenas um dos fatores que devem ser levados em consideração pelos gestores. Além da necessidade de estar alinhado com a normas em vigor, é preciso estar ciente dos riscos e das deficiências que podem contribuir para ataques.

Dependendo do tipo de ataque, a empresa pode ter as suas operações inviabilizadas por um período. Já parou para pensar como isso pode refletir nos lucros?

Uma organização empresarial pode ter muitos prejuízos relacionados à violação dos seus dados, não se trata apenas com o descumprimento da LGPD. Ela pode perder clientes e sofrer danos à sua reputação.

Quando um ataque acontece, uma cadeia de eventos se segue e os gestores precisam estar preparados para lidar com isso. Além dos danos do ataque propriamente dito, haverá gastos com notificação das pessoas que foram afetadas pelo problema, com investigação, entre outros.

O seguro cyber tem o propósito de auxiliar em diferentes frentes, cobrindo, por exemplo, custos com honorários advocatícios, custos processuais, indenizações em ações judiciais transitadas em julgado, custos com pagamento de acordos extrajudiciais, custos de recuperação de dados, custos periciais, lucros cessantes, entre outros.

Na prática, ele funciona como grande parte dos seguros: há contratação e emissão de apólice. Ocorrendo o sinistro, a seguradora fica responsável pelo pagamento da indenização dos termos e limites do que está definido em apólice.

Quais são as principais razões pelas quais as empresas devem investir em um seguro de riscos cibernéticos?

Por que investir em seguro de riscos cibernéticos

Já deu para perceber que os riscos cibernéticos são uma realidade e que um ataque pode impactar significativamente as operações da empresa. O seguro de riscos cibernéticos foi criado com o propósito de preservar a responsabilidade da empresa no que diz respeito à gestão, proteção e manutenção de dados.

Levando em consideração as exigências da LGPD e as multas que podem ser aplicadas, os gestores precisam pensar em soluções de mitigação de risco.

Por isso, a empresa que opta pela contratação do seguro se vê protegida destes riscos, minimizando o impacto do problema caso um ataque venha a acontecer.

Para contratar você deve buscar o suporte de uma corretora de seguros, que vai ajudar a encontrar a seguradora mais adequada de acordo com o perfil e tamanho da sua empresa. Listamos, a seguir, as principais razões para você considerar este investimento da sua empresa:

  • A empresa fica mais segura com relação às exigências da LGPD;
  • O número de ataques cibernéticos está crescendo nos últimos anos e é uma preocupação a ser considerada pelas empresas, conforme apontou o relatório do Fórum Econômico Mundial de 2022;
  • A contratação do seguro riscos cibernéticos traz mais tranquilidade para os fechamentos de negócios e para os clientes;
  • A proteção do seguro é um diferencial competitivo que pode agregar valor à sua marca.  

Como você viu, os riscos cibernéticos são uma realidade e é preciso lidar com ela. Os gestores podem utilizar mecanismos, como o seguro de riscos cibernéticos, visando minimizar os riscos e trazer proteção tanto para a empresa quanto para seus clientes e parceiros de negócios.
Já pensou em contratar um seguro riscos cibernéticos para a sua empresa? Entre em contato com a Mutuus, solicite uma cotação e proteja o seu negócio!

Esse artigo foi útil?

Ficou com alguma dúvida?

Leia mais sobre Seguro Cyber

Comentários (1)

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *